segunda-feira, 13 de maio de 2013

FALTA DE ADERÊNCIA À REALIDADE

«...investimento, permite criar nova riqueza que, depois, poderá ser taxada no futuro. O sector da energia é um caso típico de uma área em que se está basicamente à espera, e onde a resposta poderia ser muito rápida porque o centro de decisão está em Portugal. Este conceito ‘vamos diminuir a taxa de IRC e os investidores internacionais vão ver e vão vir imediatamente' não corresponde à realidade.»
A eficiência da diminuição do IRC é uma falácia própria de desconhecedor da realidade.
A realidade hoje é «descompressão dos impostos sobre consumos sem impacto externo», que permita manter a pequena economia: aquela que destruiu mais de 400.000 postos de trabalho por pressão fiscal,  com sentido inverso ao pretendido: a receita fiscal.