segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

SUSANA ARAÚJO

«Em Portugal temos um excelente modelo governamental do que é governar sem ideias, governar através de números (“drawing by numbers”), colorindo a nação em tons de cinzento; um país já anémico pela sangradura social a que tem sido sujeito. Continuam a falar do bem da nação e a citar Camões, sem no entanto terem qualquer interesse em compreender, como de facto, a “dívida” será paga pelo cidadão comum nem quais serão os seus sacrifícios reais. O que representa a “dívida” para a mãe solteira que já tem longas dívidas no hospital porque lhe foi diagnosticada uma leucemia? O que representa ela para o pai de três filhos, desempregado, que vai voltar a emigrar para a Bélgica aos 53 anos de idade?; o que representa ela para o rapaz de dezoito anos que desistiu de estudar para trabalhar como guarda prisional? O que representa a dívida para a avó de seis netos que já vive a recibos verdes há duas décadas, trabalhando como costureira para uma cadeia internacional de ponto a vestir? O que representa a dívida para um país pobre, sujo, seco e sem lágrimas?»

domingo, 30 de dezembro de 2012

GRANDE PEDRO LAINS: FALTA EM DEMOCRACIA PUBLICAR BOLETINS SOBRE A SAÚDE DOS POLÍTICOS - E TODOS SABEMOS A QUE TIPO DE SAÚDE ELE SE REFERE

«...como "nas democracias avançadas de publicar boletins sobre a saúde" dos políticos»

sábado, 29 de dezembro de 2012

DE EDUARDO PITTA, DE JOSÉ VÍTOR MALHEIROS, ...

«José Vítor Malheiros, O ano em que Passos Coelho matou o Natal, hoje no Público, excertos, sublinhados meus (De Eduardo Pitta, Citação 426):

«[...] Tudo o que se esconde atrás desta mascarada de austeridade que Passos Coelho, Vítor Gaspar, Miguel Relvas e Mota Soares representam é desigualdade, favorecimento, empobrecimento, benefícios aos ricos, subserviência perante os fortes, despotismo perante os fracos, hipocrisia, descaramento, desumanidade. O contrário do que gostamos de pensar que é o espírito de Natal. Surpreende que um dos feriados eliminados não tenha sido o Natal, tal é a sanha anti-humanista dos rufias no poder. [...] O que fazer quando um primeiro-ministro tem uma tal desfaçatez que acusa no Parlamento uma deputada de dizer falsidades, em tom intimidatório, quando esta cita uma declaração sua, feita meses antes, no mesmo Parlamento e que todo o país viu e ouviu? O que fazer quando se tem um Miguel Relvas no Governo? [...] O que fazer enfim quando se tem um primeiro-ministro tão escassamente instruído, tão infantilmente birrento, tão desprovido de consciência social quanto de competências sociais, tão determinado quanto aos fins, tão indiferente quanto aos meios e tão flexível quanto aos princípios? O que fazer quando se tem um primeiro-ministro tão indiferente a Portugal e aos portugueses e tão subserviente perante poderes estrangeiros? No quadro constitucional português, a instância a quem cabe resolver este nó górdio é o Presidente da República. Mas o que fazer quando este está demasiado ocupado a comer bolo-rei? Vamos perder a vida e o futuro e a liberdade por delicadeza, como no poema de Rimbaud?

PS para PPC: Rimbaud é um poeta francês, mas não se incomode a ler. Leia antes Lettres et le Néon, um livro sobre publicidade do seu filósofo de cabeceira, Jean-Paul Sartre, que tem certamente na prateleira dos livros

MENSAGEM A GASPAR, O BURRO, E AO SEU AFILHADO, PASSOS!


«A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional afirmou ao jornal alemão "Die Zeit" que a consolidação orçamental "não deve acontecer ao mesmo ritmo em todo o lado" na zona euro e que a organização passou a dar mais atenção às "consequências potenciais de reduções de défice excessivamente rápidas".»

Jorge Nascimento Rodrigues (www.expresso.pt)
10:34 Sábado, 29 de dezembro de 2012



EXEMPLO ISLANDÊS (BANQUEIROS CONDENADOS POR EMPRÉSTIMOS FRAUDULENTOS): DE QUE É FEITA A MAGISTRATURA PORTUGUESA?


«Banqueiros islandeses condenados a 9 meses de prisão
Tribunal condenou dois banqueiros por terem autorizado empréstimos fraudulentos antes da crise»

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

O COMBATE DO XIX GOVERNO CONTRA A BUROCRACIA, OS CUSTOS E PELA COMPETITIVIDADE

«Pequeno comércio obrigado a comprar registadoras novas
Associações queixam-se da burocracia e despesas implicadas pelas novas regras de faturação»

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

PORTUGAL: UM ESTADO FALHADO DE LADRÕES? DOIS RESPONSÁVEIS, UM SISTEMA!

«Nogueira Leite decidiu sair da Caixa Geral de Depósitos (CGD) pelo facto de não concordar com a gestão do banco.

O jornal «Público» noticia que uma das razões da demissão de Nogueira Leite foi o facto do presidente da Caixa, José de Matos, ignorar denúncias de alegados ilícitos criminais cometidos no passado por diretores que ainda estão em funções na instituição.

Entre os alegados atos ilícitos estão roubos, falta de rigor na aquisição de equipamento de segurança, crimes de coação e corrupção envolvendo altos quadros do banco público.

Nogueira Leite, que estava no grupo CGD há mais de um ano, apresentou a demissão há uma semana»

O PAÍS COM QUE PASSOS SONHOU


SOLIDARIEDADE EUROPEIA


MOVIMENTO PARA A CRIMINALIZAÇÃO DOS VENDILHÕES DOS BENS PÚBLICOS VIA PRIVATIZAÇÕES

A ANA está prestes a ser vendida. 
Monopólio estratégico para Portugal, um governo indigno, não representativo e tomado por uma «seita partidária» que se diz social democrata prepara-se para alienar mais um sector estratégico. 
Em pouco mais de cinco anos, a empresa que ficará com os aeroportos de portugal recuperará todo o capital investido na privatização, restando 45 anos de lucros - que no actual quadro de parasitagem fiscal mundial, à imagem do capital que procura lugares mais apetecidos, significa um capitalismo selvagem sem consciência social

Que legado deixaremos aos nossos filhos, nesta partilha desigual que alguns andam a forjar para benefícios imediatos? 

ENTRE A SOCIAL DEMOCRACIA NORUEGUESA E A SOCIAL CLEPTOCRACIA PORTUGUESA: A MESMA CARGA FISCAL, UMA DEMOCRACIA DIFERENTE

sábado, 22 de dezembro de 2012

FISCO E GNR JUNTAM-SE PARA COMBATER A FRAUDE E EVASÃO FISCAL

A recente notícia que fisco e GNR se juntam para combater a fraude fiscal é daquelas que os agentes económicos dispensavam ... e que tem um efeito muito mais negativo do que positivo pelo clima policial e pouco democrático instalado.
Uma das percepções que os agentes económicos tem, hoje, em Portugal, é que este estado controlador e esbulhador de tudo o que mexe, já se move não para prover a essencialidade da vida das pessoas mas para alimentar vários monstros (os juros da dívida das comparticipações comunitárias... a cleptocracia instalada...).
A dimensão da carga fiscal instalada é também ela por si um  monstro, já que complementa com uma carga para - fiscal brutal e rendimentos excessivos dos sectores rentários.  O rendimento disponível já está indisponível, tendo o estado entrado no esbulho do pouco que estes foram acumulando ao longo de décadas e que faz parte do fundo de maneio mínimo dos agentes económicos para investirem na economia.
Os agentes económicos são racionais e funcionam na base da confiança. Sem confiança não há economia e quando o estado se torna demasiado controleiro, anti-democrático e de rapina, o país económico fenece. Não se pode querer fazer da árvore da evasão a floresta, numa fuga para a frente de queda de receitas pela destruição da economia. 
O fisco para além do limite do razoável mata e torna um deserto por onde passa!     

O CINISMO, HIPOCRISIA E VISÃO CURTA DO TALHANTE PASSOS

Ontem o talhante de Lisboa não ouviu o Expresso da Meia Noite e a exposição clara e sensata de um nosso compatriota da ONU. A clareza do que era necessário fazer é linear. A responsabilidade da Alemanha com o seu Hypobank também, mas o talhante de Lisboa que ontem estúpida e cinicamente  foi desejar Bom Natal a reformados a quem lhes tira o pão, também.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

XIX GOVERNO: GOVERNO ANTICONSTITUCIONAL E DE TRAIÇÃO NACIONAL

«Endeudada, avejentada (aunque con beneficios), incapaz de recapitalizarse a base de inyecciones estatales debido a que lo prohíbe la normativa europea, la TAP se encuentra en un aparente callejón sin salida. En los últimos meses, durante el proceso de venta, varias compañías internacionales se han interesado por las condiciones pero, al final, solo hay un candidato y una oferta encima de la mesa: la de Efromovich, presidente del conglomerado Synergy, con una veintena de empresas, varias compañías aéreas, entre las que se cuenta Avianca, con una facturación anual de 5.000 millones de euros, 30.000 empleados y, según el diario Público, ciertos contactos con el poderoso ministro de Asuntos Parlamentarios, el polémico Miguel Relvas. Efromovich, según la prensa portuguesa, promete enjugar la deuda de TAP, recapitalizar con 315 millones la compañía y, además, aportar otros 36 a las magras arcas del Estado. A cambio, obtiene una compañía renqueante pero con una posición estratégica ideal como plataforma para saltar al mercado europeo y al oriental. Algo así como lo que hicieron con la electricidad hace un año los chinos de Three Gorges, pero en sentido contrario.»

“No se puede vender así la soberanía nacional”, dice un sindicalista»

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

ATÉ AUTARCAS SOCIAIS DEMOCRATAS FALAM EM GESTÃO ECONÓMICA DANOSA DE AMIGOS PARA AMIGOS

«O social-democrata presidente da Junta de Castelo de Neiva, Viana do Castelo, suspendeu o mandato para voltar a emigrar, depois de a crise económica e as portagens na A28 terem arruinado o restaurante que geria.

«Nunca imaginei chegar à situação de voltar ao Canadá, muito menos 18 anos depois de ter regressado ao meu país. Mas Portugal obrigou-me a isso», afirmou à agência Lusa Augusto Bandeira, de 49 anos, que regressa no dia 24 de dezembro a Toronto, para reconstruir a vida.

«Infelizmente o meu país assim quis e tenho de voltar a partir» porque «em Portugal, ainda se continua a fazer gestão danosa e a favorecer amigos. Se um dia as coisas mudarem conto regressar ao meu país», afirma o social-democrata, antigo empresário de restauração que viu o seu restaurante fechar em maio deste ano, colocando seis pessoas no desemprego.

Eleito em 2009 pelo PSD, partido em que milita há seis anos, Augusto Bandeira será substituído pelo tesoureiro, Paulo Torre, por um período inicial de três meses.

«Depois vou renovando até às eleições e não devo recandidatar-me. Mesmo assim fica tudo organizado e quero acompanhar os meus colegas sempre que possível e vou tentar regressar para as assembleias», explicou, resignado com a crise que o obriga a voltar à vida de emigrante, onde um emprego já o espera em Toronto.

O restaurante, onde investiu 400 mil euros, fechou há uns meses e agora Augusto Bandeira deixou de acreditar na retoma económica.»

GASPAR O FRAUDULENTO: DESVIOS DE PREVISÃO SÃO NORMAIS DIZ O LATOSO

Como é possível um dos maiores responsáveis da aniquilação do mercado interno vir dizer que os desvios de previsão são normais?
Como é possível alguém sem dois dedos de testa não perceber o delírio de gaspar e a sua total incompetência?
Como é possível gaspar tentar sistematicamente justificar-se com base numa eventual superioridade intelectual?
Um verdadeiro cromo que pode enganar pobres de espírito não economistas ou gestores.

É O GOVERNO DE PASSOS UM GOVERNO DE TEOR FASCISANTE?

O governo cobarde e proto - fascista de Passos, que estrangula cada vez mais as liberdades,  atraiçoa todos os dias o espírito da matriz da social democracia erigida por Sá Carneiro.
A grande maioria dos sociais democratas sentem-se hoje traídos e defraudados com um homem mentiroso e completamente irresponsável e pelo seu papel na destruição de milhões de famílias portuguesas e no seu total empobrecimento. Entretanto crescem o número de boys e a opacidade de organismo como o do Crédito Público.
No passado, bastava arvorar o seu título duvidoso de doutor. Hoje num país de pessoas conscientes, e cada vez mais formadas, a sua falta de inteligência não o deixa perceber o ódio cada vez maior que perpassa transversalmente na sociedade portuguesa.   
Pelo caminho não só atraiçoa os verdadeiros sociais democratas, como negoceia à boa maneira Socrática no escuro, abocanhando negócios e traindo o povo português em geral. Até quando?  

ANA E TAP: UMA QUESTÃO DE PATRIOTISMO E DE TRAIÇÃO

Já todos percebemos, menos o governo ilegítimo de Portugal, de passos e gaspar, a importância dos HUBs, na manutenção de uma estratégia nacional. 
Franceses e Alemães não se libertam de Air France e Lufthansa, como não se libertam e conjugam-nas com os seus aeroportos nacionais. 
Ao vender por três mil milhões (um valor recuperado em 5 anos pela Vinci) nada nos garante que, em pouco tempo, a capacidade instalada das suas companhias e os seus aeroportos não irão substituindo aos poucos os nossos, abocanhando o mais querido, as relações com África e Brasil. 
«Em cima da mesa estão quatro propostas, de diferentes geografias, currículos e investidores. Uma delas, liderada pela Vinci, ganha vantagem pelo preço (três mil milhões de euros) e ganha pontos com a intenção de dar prioridade à ANA como um eixo estratégico de desenvolvimento e ser porta-estandarte das ambições internacionais do grupo francês. Outra proposta, dos alemães da Fraport, destaca-se pelo segundo melhor preço e pela vasta experiência e portefólio, o que a torna, primeiro, num respeitável gigante mundial do sector e, depois, numa alavanca no peso que os aeroportos portugueses podem (e devem) ganhar à escala global. A esta corrida juntam-se os brasileiros da CCR e os argentinos da Corporación America, com propostas de valor mais baixo e, aparentemente, trunfos menos valiosos.»

GASPAR: SIMPLESMENTE CRIMINOSO

«O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, tem recusado divulgar os vencimentos auferidos por altos cargos na Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP, que, segundo a edição desta segunda-feira do Correio da Manhã, rondam os 300 mil euros anuais no caso do presidente do IGCP, João Moreira Rato. Também a vogal Cristina Casalinho recebe um valor muito superior ao ordenado do primeiro-ministro.

João Moreira Rato, anteriormente no Morgan Stanley, e Cristina Casalinho, antiga economista-chefe do BPI, beneficiam de um regime de excepção no IGCP após este ter sido transformado em empresa pública. Assim, os dois gestores optaram por auferir o salário médio que receberam nos últimos três anos.
Questionado a 10 de Setembro pelo Correio da Manhã, Vítor Gaspar não respondeu.
Também o PS apresentou um requerimento ao primeiro-ministro sobre esta matéria, mas Passos Coelho recusou responder «dizendo que a responsabilidade não era dele, mas do ministro das Finanças», disse Carlos Zorrinho, líder parlamentar socialista. O PS fez então um requerimento a Vítor Gaspar, o qual ainda não obteve qualquer resposta.
João Moreira Rato, de 41 anos, era director executivo do Morgan Stanley desde 2010 antes de assumir a presidência do IGCP. Anteriormente tinha passado pelo Goldman Sachs.
Cristina Casalinho, de 44 anos, ocupava o cargo de economista-chefe do BPI e tinha antes trabalhado no Gabinete de Estudos do Departamento de Estatísticas do Banco de Portugal.
Ambos os gestores do IGCP não entregaram as declarações de rendimentos junto do Tribunal Constitucional, o que deviam ter efectuado até 18 de Agosto.»

MOVIMENTO PARA A CRIMINALIZAÇÃO DO GOVERNO FASCISTA E INTIMIDATÓRIO DE PASSOS E POR GESTÃO DANOSA COMO PROVADO NO PRÓS E CONTRAS DE ONTEM RELATIVAMENTE À PRIVATIZAÇÃO CRIMINOSA DO GRUPO TAP

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

DA CANELADA A CAVACO AO QUE PENSA O POVO DO LAPINO RABBIT

  • Ou seja: o “rapaz” até sabe, MUITO BEM, onde é que estão muitos dos problemas que afetam a segurança social, o défice e muito mais!!!! O tipo sabe o que deveria fazer mas, limita-se a levantar umas ondas para condicionar reações!!!!!
  • Ppatricio: Veja lá se promulga o OE ou o tipo ainda lhe corta as reformitas que, embora imerecidas, lhe fazem tanta falta, para não mexer no lucro dos negócios que teve com o BPN!!!!! Há por aí imensos parasitas a pesar outro tanto, ou ainda mais, ao estado social e, por isso é que o lapino quer cortar a quem sempre descontou uma vida inteira!!!!!! O “rapaz” também devia olhar para a figuraça que colocou a presidir a AR!!! Esta tipa já tem mais anos de reformada que de contribuinte!!!!! No entanto a tipa é de "fibra"!! Veja-se a distinta resposta que deu ao Nuno Santos a propósito das declarações em comissão parlamentar!!!! Só mesmo uma juíza precocemente reformada, parasita do povo, poderia dar uma resposta daquele teor!!!! Mas nada que me admire: os membros dos partidos "do arco do poder" são mesmo assim e estão-se borrifando para os problemas de quem não é do partido nem lhes serve de capacho!!!!!! 2012-12-17 02:48Ppatricio 
  • Vi um pouco o discurso do lapino na reunião da malta dos jotinhas, os futuros relvas! Aquilo parecia uma reunião de vampiros, vazios, sem alma, mas cheios de fome, ao ouvir o discurso carregado de mentiras do chefão "drácula"!!!! O tipo falava, falava mas os jotinhas já estavam fartos de o ouvir e estavam era ansiosos por passarem ao ataque sanguinário!!!! Mas, coitados, ainda têm que esperar uns tempinhos: o conde drácula lapino e o relvas estão primeiro e não parecem mostrar qualçquer sinal de "enfartamento"!!!!!!!! Desconfio que para estes aspirantes a vampiros pouco ou nada sobrará pois o reino dos vampiros está preso por pouco..... depois haverá uma nova ordem e levará o seu tempo a estbelecer-se nova colónia de "chupistas"!!!!!
  • Luis Neves Mais uma canelada entre muitas Foi mais um, pelo raciocinio docomentador, a dar uma canelada ao PR. Os termos " canelada, novinhos e velhinhos" não têm qualquer interesse. Aliás, o comentador, enquanto presidene do PSD, em momento algum, criticou, em congressos da JSD, as reformas e pensões injustificadas. Logo, não entendo a necessidade de realçar essas palavras do PM. É de notar, tal como já aconteceu em diversas alturas no passado, o doutor Passos foi falar aos jovens do partido, não tendo por isso falado aos potugueses. É óbvio que o comenador se estivesse chegado a PM, hoje estaria bem melhor, podendo juntar ao que já usufrui uma reforma vitalicia. Estes assuntos, em muitos casos reprováveis, são conquistas dos deputados pós 25 de ABRIL de 1974. 2012-12-16 23:06 L Maria Neves S 
  • O MARCELO JÁ ENTROU EM DESVARIO A TENTAR DEFENDER O INDEFENSÁVEL O PM deu uma canelada a 4 milhões de pensionistas dos quais só 4% são ricos. Ou seja, têm pensões acima dos 1350 euros brutos. Destes 1350 euros tem que se retirar o IRS, um corte de pensões de 3,5% mais outros 3,5% de taxa de solidariedade e mais 90% do subsídio de férias. Feitas as contas um privilegiado de 1350 € que tenha descontado toda a vida para a Segirança Social nem chega a receber 1000 €/mês. Ora um lar médio custa cerca de 1500 €... Admiram-se que existam tantos lares clandestinos? QUANTO A MAIS DE 2 MILHÕES DE REFORMADOS QUE VIVEM COM MENOS DE 600 EUROS, ALGUNS COM MENOS DE 300 EUROS, ESSES NEM AVIAM OS MEDICAMENTOS NEM COMEM EM CONDIÇÕES. VIVEM E MORREM SOZINHOS.

sábado, 15 de dezembro de 2012

OS GÉNIOS MATAM POVOS

«Massacre EUA: jovem atirador era considerado um «génio»

Adam Lanza vivia com a mãe e não tinha registo criminal»

GASPAR, O PREDESTINADO DA DIMINUIÇÃO DA INCERTEZA...QUE É O PRIMEIRO A GERAR!

«Diminuição da incerteza é condição para Portugal crescer»

Vítor Gaspar sublinha que programa de ajustamento reforça «quadro de confiança na economia» nacional 

Quando olhamos para isto, para o ministro que anuncia o fim do IMT para 2016 perguntamos: quem é tu Gaspar?
Na parolice nacional passada um homem com formação dita superior era só por isso uma figura cujas palavras eram mandamentos; actualmente só os alucinados acreditam em predestinados; é que muitas vezes por trás escondem loucura ou interesses.

OS MISERÁVEIS!


Silvestre Gago, artista, tem esta visão da vida. Mas será ele o verdadeiro artista? ou aqueles poucos criminosos, usurpadores da legitimidade, aqueles que: «nunca tão poucos, destruíram tanto em tão pouco tempo!»

TAP, UM ACTIVO ESTRATÉGICO! NO PAÍS DOS CORRUPTOS E CRIMINOSOS!

«António José Seguro considerou que «há uma falta de transparência» em todo o processo e, por isso, deve ser suspenso, porque a TAP «não é uma empresa qualquer».

«A TAP diz-nos muito, tem a ver com a nossa identidade, é um ativo estratégico na captação de turistas, exportação de serviços e aproximação com portugueses emigrados», frisou.

O socialista relembrou que, quando o primeiro-ministro era líder da oposição, afirmou, em julho de 2010, que «a política de privatizações seria criminosa, nos próximos anos, se visar apenas vender ativos ao desbarato para arranjar dinheiro».

«I have a dream!»
Ver todos aqueles que trairam os seus compatriotas, serem colocados perante um tribunal do povo, que suportou as suas malfeitorias atirando-os para o desespero e para a miséria material.
Que não a miséria moral, que essa está com todos aqueles que tomam decisões criminosas nas costas do povo.

«I HAVE A DREAM!»



ATÉ TU PIRES DE LIMA? NÃO É UM BOM ORÇAMENTO? MANTÊM-SE O MAU.

Pires de Lima sabe que este orçamento vai destruir a economia. 
«Não havia alternativa», diz ele.
Não havia alternativa para quem?
Para ele?
Para o povo português, que demonstra em sondagens que este já não é o seu governo?
Em democracia há sempre alternativas!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

PORTUGAL É LIDERADO POR LEGIÃO DE BASTARDOS ESTRANGEIROS - PEDRO ABRUNHOSA

CARLOS MOEDAS: MOEDA DE CÊNTIMO

«Washington Post gráfico destaca aumento do desemprego em Portugal Reportagem do jornal americano aborda a degradação da economia. Carlos Moedas assegura que Governo não está a adotar medidas pela troika. «Estamos a fazer [isto] por nós»

Quando Carlos Moedas diz que estamos a fazer isto por nós, isto o que?, a destruição da economia?, tentando dar lições de praticidade a Americano, só há uma frase que se pode grafar: que grandes parvos!

Liquidam a economia e ainda se ufanam!

MENOS 500 MIL URGÊNCIAS E 911 MIL CONSULTAS: REFLEXO DA INDIGNIDADE DA FALTA ATÉ DE DINHEIRO PARA OS TRANSPORTES

«Menos 500 mil urgências e 911 mil consultas

Governo satisfeito com números. Profissionais de saúde garantem que dificuldades financeiras levam doentes a faltar»

IMT EXTINTO, UM DOS IMPOSTOS MAIS ESTÚPIDOS DE PORTUGAL... EM 2016! POR ONDE ANDARÁ GASPARZINHO, UM DOS RESPONSÁVEIS PELO AGUDIZAR DA CRISE NESTA ALTURA? COM CERTEZA, NÃO, NO RSI

UM LUSOFÓNO LIDERA A COMISSÃO DE PRIVATIZAÇÕES: COINCIDÊNCIAS?

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

AS CONTRADIÇÕES QUE MATAM PORTUGAL: O EFEITO ATA

«O processo deverá estar terminado em fevereiro de 2013, dois meses depois do prazo determinado, e consiste na avaliação das habitações de acordo com as regras do IMI que deverá, agora, aumentar para a maioria dos proprietários.
Em causa estão quase cinco milhões de casas. Até ao final do mês, deverão ficar avaliadas cerca de quatro milhões, segundo avança o jornal.
Para regularizar a situação, os contribuintes terão de pagar o IMI em atraso e uma multa pela falta de declaração atempada das obras e dos juros.
No futuro, para evitar estes pagamentos, os contribuintes que têm que declarar obras através do preenchimento do Modelo 1 das Finanças.»
Enquanto o ministro da economia tece loas à necessidade de simplificação contra a burrocracia instalada no estado, o fisco vai exaurindo a confiança de investidores e tecido económico.
Gostei de ouvir ASP afirmar que também não percebe porque o ministro das finanças não deixa os portugueses subscreverem títulos de dívida pública a pedido da ... banca?
Como não se percebe também como não se privatiza a TAP abrindo o seu capital a capital nacional. 
Como também se percebe o resultado da destruição da CIMPOR!
Como não se percebe como se entrega a mãos privadas uma empresa como a ANA, um monopólio que dá lucro ao estado sob o argumento de o sector privado ser mais dinâmico!
Será? Será que o problema português não é de como se chegou ou está aqui, mas de quem... a mantêm e provocou?
Não será isto traição à nossa Pátria e aos nossos avós? 

EXCELENTE ARTIGO DE MANUEL MARIA CARRILHO: A VISÃO A QUEM A TEM, MESMO COM EVENTUAIS TORNEIRAS DOURADAS

«O eco que as inconformistas palavras de Mário Soares têm encontrado, na sua crítica à situação atual, revelam bem como todas as facetas da crise acabam por convergir numa aguda crise de sentido, na sua dupla aceção de direção e de significado: nem sabemos para onde vamos, nem percebemos o que fazemos, ou nos pedem que façamos.
Com efeito, vivemos numa época em que, sob a torrencial pressão dos fluxos da atualidade, tudo desaparece mal aparece, tornando o passado numa reminiscência. Em que todas as expectativas se esvaem entre as maiores incertezas, tornando o futuro numa quimera. Em que as ideologias já quase nada explicam. Em que não há bússola e as maiores mutações ocorrem sem registo nem avaliação. Em que uma decomposição cloroformizada atinge devastadoramente todas as instituições.
Portugal vive num desatino completo: quer se trate das funções do Estado e da sua "refundação", do orçamento e das suas inconstitucionalidades, da RTP e caos em que mergulhou a ideia de serviço público, do impasse europeu e das suas consequências. Um desatino que lembra as inspiradas palavras de Agustina Bessa-Luís, quando ela fala de uma "perfeita improvisação do destino. Todos se contradizem, mas ninguém entra em conflito. De facto, não há nenhum desejo de luta. As pessoas confraternizam com o irremediável, mais do que estão divididas nas ideias."
É verdade que a sociedade mediática torna tudo simultaneamente mais instável e mais fugaz, dificultando assim a formação de uma opinião pública que compreensivelmente procura sempre pontos de estabilidade e de referência, que lhe orientem as expectativas e lhe inspirem a ação.
Ela caracteriza-se, como bem explica Gilles Lipovetsky em Sociedade da Decepção (agora oportunamente traduzido para português, pela Edições 70), pela multiplicação e a alta frequência da experiência decetiva, tanto no plano público como no privado, experiência que, como ele sublinha, decorre não só dos "despedimentos, das deslocalizações e da gestão ansiógena dos potenciais de cada um, mas se enraíza nos ideais de 'épanouissement' pessoais veiculados em grande escala pela sociedade de hiperconsumo."»

domingo, 9 de dezembro de 2012

GOLDMAN SACHS BOY


sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

FT: FINANCIAL TRUE! DANKE SCHOEN!


quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

O BOM ALEMÃO


A austeridade está a asfixiar Portugal!

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

PRECISAMOS DE MERDA SENHOR PASSOS E GASPAR

«Ao Excelentíssimo Senhor PRIMEIRO Ministro

Exposição

Porque julgamos digna de registo,
a nossa exposição, Sr. Ministro,
erguemos até vós humildemente,
uma toada uníssona e plangente,
em que evitámos o menor deslize,
e em que damos razão da nossa crise.

Senhor, em vão esta província inteira,
desmoita, lavra, atalha a sementeira,
suando até à fralda da camisa.
Mas falta-nos a matéria orgânica precisa,
na terra que é delgada e sempre fraca.
A matéria em questão, chama-se caca.

Precisamos de merda, senhor Soisa,
e nunca precisámos de outra coisa…

Se os membros desse ilustre Ministério
querem tomar o nosso caso bem a sério;
se é nobre o sentimento que os anima,
mandem cagar-nos toda a gente em cima
dos maninhos torrões de cada herdade,
e mijem-nos também, por caridade…

O Senhor Passos Oliveira Coelho Salazar,
quando tiver vontade de cagar,
venha até nós, solicito, calado,
busque um terreno que estiver lavrado,
deite as calças abaixo, com sossego,
ajeite o cu bem apontado ao rego,
e como Presidente do Conselho,
queira espremer-se até ficar vermelho.

A nação confiou-lhe os seus destinos…
Então comprima, aperte os intestinos.
E ai… se lhe escapar um traque não se importe…
quem sabe se o cheirá-lo não dará sorte…

Quantos porão as suas esperanças
num traque do Ministro Gaspar das Finanças…
E também, quem vive aflito e sem recursos,
já não distingue os traques, dos discursos…

Não precisa falar, tenha a certeza,
que a nossa maior fonte de riqueza,
desde as grandes herdades às courelas,
provém da merda que juntarmos nelas.

Precisamos de merda, senhor Soisa,
e nunca precisamos de outra coisa,
adubos de potassa, cal, azote;
tragam-nos merda pura do bispote,
e de todos os penicos portugueses,
durante pelo menos uns seis meses.

Sobre o montado, sobre a terra campa,
continuamente eles nos despejem trampa.
Ah terras alentejanas, terras nuas,
desesperos de arados e charruas,
quem as compra ou arrenda ou quem as herda
sempre a paixão nostálgica da merda…

Precisamos de merda senhor Soisa,
e nunca precisámos de outra coisa…
Ah, merda grossa e fina , merda boa,
das inúteis retretes de Lisboa.

Como é triste saber que todos vós
andais cagando, sem pensar em nós…
Se querem fomentar a agricultura,
mandem vir muita gente com soltura…

Nós daremos o trigo em larga escala,
pois até nos faz conta a merda rala…
Ah, venham todas as merdas à vontade,
não faremos questão da qualidade,
formas normais ou formas esquisitas.
E desde o cagalhão às caganitas,
desde a pequena poia, à grande bosta,
tudo o que vier a gente gosta.

Precisamos de merda, Senhor Soisa,
e nunca precisámos de outra coisa…

LOUCURA DE PASSOS: DEFENDER OS SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO DA REPÚBLICA NOS MERCADOS É ANTIDEMOCRÁTICO E AO NÍVEL DE QUALQUER DITADOR

«...defende que os serviços de informações "podem e devem" contribuir para que as empresas tenham informação mais "rigorosa e actualizada" dos mercados.
"O recurso que as nossas empresas não podem dispensar é a informação rigorosa e actualizada dos mercados em que operam, dos seus concorrentes e dos limites à sua actividade. Também aqui os serviços de informações, em conjugação com entidades como a AICEP, instituições académicas ou associações empresariais, sectores estratégicos da economia, centros de inovação tecnológica e investigação científica, podem e devem dar um importante contributo", afirmou Pedro Passos Coelho.

O chefe do Governo discursava na abertura de um seminário internacional sobre "A Segurança Global e os Sistemas Democráticos: desafios e perspectivas", organizado pelo Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP), na reitoria da Universidade Nova de Lisboa.
Antes, Pedro Passos Coelho considerou que "a constante contextualização dos riscos, ameaças e oportunidades através da leitura do ambiente estratégico internacional" é uma exigência que não se coloca apenas ao Estado, mas também às empresas.»

COM PASSOS E RELVAS A DEMOCRACIA ESTÁ EM PERIGO

DECADÊNCIA POR SÓNIA CRAVO

«O país avança para a decadência, receoso e envergonhado. São resmas de folhas, todos os dias. Cada folha, se não é protesto, é escândalo. E tudo acontece como se a decência tivesse agora outras ressonâncias, outros limites. Na história do real, trampolineiros vêm falar ao povo, a favor do povo, logo esses tais que também nos roubaram. Nós por cá somos o melhor povo do mundo. Uns lutam e outros tentam. Impacientam-se todos. Um fósforo ou um petardo lançado por mão alheia. Às vezes, raivas repentinas, que a fome é um monstro. Murmuram que somos bons, os melhores. Um abraço ensaiado. Uma flor. Olha o passarinho! Ali, ali! Mostra o dentinho! Mete no Facebook. Uma nova aparição em Fátima! Não?! Quem meteu lá esse gajo? Eu não fui. Eu também não. E o outro? E o anterior? E amanhã? E amanhã? Amanhã? Haverá ainda tempo para o “melhor povo do mundo” descolar da imagem conveniente?»

Sónia Cravo

ÍNDICE DE CORRUPÇÃO


«1- Administradores e gestores sendo ao mesmo tempo deputados.
2 - Membros da comissão de obras públicas que trabalham para construtores.
3 - Membros da comissão de saúde que trabalham para laboratórios médicos.
4 - Políticos que criam "legislação imperceptível" e com excepções para beneficiar amigos.
5 - Advogados que ganham muito dinheiro com pareceres e ganham dinheiro com a venda de excepções
6 - Deputados ao serviço de quem os financiou e não de quem os elegeu.
7 - A lei do financiamento dos partidos é a mais descarada lei de apoio à corrupção.
8 - Bancos e construtoras, que são quem financia os partidos, vão alternando cargos entre governo, bancos e construtoras para controlarem todos os pontos estratégicos.

Mas eu já estou como a outra senhora ... " Os nossos políticos não são políticos corruptos, os nossos dirigentes não são dirigentes corruptos. Portugal não é um país corrupto ..."

O que há é demasiados políticos católicos praticantes ...
Nunca assinam nada sem terem um terço na mão ...»

Á ATENÇÃO DOS AMIGOS DA TROIKA

Irlanda. Dada como outro bom exemplo. A mentira! Dos ingénuos, ou nem por isso! 
«Um dos problemas essenciais na Irlanda é que as políticas adoptadas pela troika «não estão a produzir resultados tangíveis». «As pessoas esperavam que ao fim de três orçamentos de austeridade haveria um sinal de esperança, mas isso não está a acontecer. Ao contrário do período de 87-90, o governo prepara-se para apresentar o orçamento mais duro e afirma que poderá haver mais dificuldades. Isto está a convencer as pessoas que os cortes pelos cortes não surtem resultado. Existe uma sensação cada vez mais presente de que este orçamento vai cortar tanto que algumas pessoas não vão mesmo conseguir pagar», considerou o analista político Johnny Fallon.

Quanto ao acordo recente da Grécia, que conseguiu melhores condições para pagamento da sua dívida, esta é uma questão que está a levantar debate na Irlanda, à semelhança de Portugal. «Claramente também vamos preciasar de um acordo quanto à dívida», disse o analista político, acrescentando: «A União Europeia já não tem esperança em relação aos países com dificuldade de crescimento e as pessoas ficam consignadas a uma austeridade infindável, enquanto outros fazem política na Europa».

A Irlanda pode ter estabilizado, mas continua sem crescer, apresenta altos níveis de desemprego e enfrenta mais cortes nas despesas do Estado e aumento de impostos. «As pessoas sentem-se frustradas enquanto esperam que os esforços internaconais resultem», frisa Fallon, que vai um pouco mais longe:

«Para além dos limites impostos, a troika impôs uma agenda com intervenção nos serviços de saúde, no estado social e noutras áreas que sugerem a imposição de um modelo sócio-político na Irlanda, ao mesmo tempo que exige o pagamento integral da dívida. Isto está a tornar-se incomportável, pois retira valor ao direito democrático do Governo eleito formatar e decidir as prioridades para a sociedade».

Onde está a luz?

Os cortes nos gastos do Estado são sempre impopulares, mas na Irlanda o que é mais chocante é a diminuição do apoio aos idosos e pessoas com deficiência, para além da educação. «Os cortes nestas áreas chocaram as pessoas», desabafa o analista.

Por outro lado, a chaga do desemprego parece não ter fim, à semelhança do que acontece em Portugal, Grécia e Espanha. «Há dez anos havia praticamente pleno emprego e o país tinha de recorrer à imigração para preencher todos os lugares disponíveis. Desde a crise, 14% das pessoas está agora desempregada e há muito poucas oportunidades de trabalho no país. No entanto, a troika e o Governo têm vindo a cortar no período de subsídio de desemprego, com o argumento de que as pessoas ficam menos tempo inativas. É uma contradição que não faz sentido, pois o mercado fica inundado de desempregados», frisa.

O pedido de ajuda à troika custa 14 mil euros a cada irlandês (homem, mulher ou criança), três vezes mais do que na Islândia, quatro vezes mais do que na Grécia, seis vezes mais do que no Chipre, 23 vezes mais do que cada português tem de pagar, 10 vezes mais do que em Espanha e quase 200 vezes mais do que em Itália.

A Irlanda não é um país de manisfestações, mas as coisas podem mudar rapidamente. «É justo dizer que se não surgirem boas notícias em breve, os irlandeses vão-se fartar. Alguns podem mesmo ir para as ruas, mas outros vão começar a pressionar para a realização de novas eleições, procurando novas alternativas políticas», conclui Johnny Fallon.»

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

O PORTUGAL QUE SANGRA!

«Estou farto disto tudo !...Tiago Mesquita in Expresso on line.

Estou farto disto tudo!
Estou farto de ver o país sequestrado por corruptos.
Farto de ver políticos a mentir.
Farto de ver a Constituição ser trespassada.
Farto de ver adolescentes saltitantes e acéfalos, de bandeira partidária em punho, a lamberem as botas de meia dúzia de ilusionistas.
Farto de oportunistas que, após mil tropelias, acabam a dirigir os destinos do país.
Farto de boys que proliferam como sanguessugas e transformam o mérito em pouco mais do que uma palavra.
Farto da injustiça social e da precariedade.
Farto da Justiça à Dias Loureiro.
Farto dos procuradores de pacotilha.
Farto de viver num regime falso, numa democracia impositiva.
Farto da austeridade.
Farto das negociatas à terceiro mundo.
Farto das ironias, da voz irritante, dos gráficos e da falta de sensibilidade de Vítor Gaspar.
Farto dos episódios inacreditáveis do 'Dr.' Relvas, das mentiras de Passos Coelho e da cobardia de Paulo Portas.
Farto de me sentir inseguro cada vez que ouço José Seguro.
Farto de ter uma espécie de Tutankhamon como Presidente da República.
Farto dos disparates do Dr. Mário Soares.
Estou farto de ver gente a sofrer sem ter culpa.
Farto de ver pessoas perderem o emprego, os bens, a liberdade, a felicidade e muitas vezes a dignidade.
Farto de ver tantos a partir sem perspectivas, orientados pelo desespero.
Farto de silêncios.
Farto do FMI e da Troika.
Farto de sentir o pânico a cada esquina.
Farto de ver lojas fecharem a porta pela ultima vez e empresas a falir
Farto de ver rostos fechados, sufocados pela crise.
Farto dos Sócrates, Linos, Varas, Campos e outros a gozarem connosco depois de terem hipotecado o futuro do país.
Farto da senhora Merkel.
Estou farto de ver gente miserável impor a miséria a milhões.
Farto da impunidade.
Farto de ver vigaristas, gente sem escrúpulos, triunfar.
Farto de banqueiros sem vergonha, corresponsáveis em tudo, a carpirem mágoas nos meios de comunicação social.
Farto de ver milhares de pessoas a entregarem as suas casas ao banco.
Farto de vergonhas como o BPN e as PPP.
Farto de ver um país maltratar os seus filhos e abandoná-los à sua sorte.
E, finalmente, estou farto de estar farto e imagino que não devo estar só. !»

Tiago Mesquita (http://www.expresso.pt/)

PORTUGAL, UMA NOVA LETÓNIA?

«Portugal está a aplicar a mesma receita aplicada na Letónia que recusou desvalorizar a sua moeda fazendo 1 desvalorização interna com consequências desastrosas naquele país , fazendo o paralelismo para Portugal as consequências serão :- 25% a 30% de queda do PIB.- 25% a 30% de taxa de desemprego.- 25% a 30% da queda de rendimentos.- Destruição do Estado Social com os serviços públicos destruídos.- Aumento brutal do custo dos serviços publicos após privatizados ou concessionados.- Emigração de 10% da população , 1 milhão de portugueses.- Emigração de 1 terço dos jovens até aos 30 anos.- Muitas barracas , mais parecendo cidades.- Muita criminalidade.- Muita miséria.E tem que se ter em conta que Portugal tem uma população 5 vezes superior à da Letónia , ou seja uma escala maior , o que agravará ainda mais os números da emigração referidos em cima , ou seja em termos de escala a Letónia está para Portugal como nós para a Espanha.Quanto aos valores do PIB , taxa de desemprego e poder de compra já tive em conta a realidade nacional e os efeitos das políticas deste governo sempre muito alem da troika , avancei estes , mas como é claro ainda poderão ser piores.O que é certo é que com este governo , o país caminha para um país do 3º mundo , com muitas barracas , muita criminalidade e provavelmente virá a ser governado por mafias criminais.

Vejam o caso da Letónia :

  tinypic.com/r/2l8yt1e/6 tinypic.com/r/qogc52/6»

sábado, 1 de dezembro de 2012

GUTERREZ: RESPONSÁVEL, MAS HONESTO. COM UM GRAU DE HONESTIDADE QUE COMPARA BEM COM OUTROS APROVEITADORES DAS FRAGILIDADES DO POVO PORTUGUÊS!

«O antigo primeiro-ministro socialista António Guterres afirmou esta noite que todos os que exerceram cargos públicos têm «uma responsabilidade» no estado atual do país, reconhecendo a sua parte na «incapacidade tradicional [de Portugal] para competir» com a Europa.

«Todos aqueles que exerceram funções em Portugal têm uma responsabilidade no facto de nós, até hoje, ainda não termos sido capazes de ultrapassar esses défices tradicionais, essa incapacidade tradicional para competir em plano de verdadeira igualdade com os nossos parceiros, nomeadamente no quadro europeu», afirmou António Guterres, em entrevista à RTP sexta-feira à noite.»

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

DOR SOCIAL OU DOR DE REPRESENTATIVIDADE?

«21h01 «Todas as políticas de ajustamento que implicam austeridade trazem risco, sofrimento e muita dor social»
 «21h43 «Esta é uma coligação histórica. É a sua obrigação e a minha convicção que esta coligação chegue ao final da legislatura»
«Uma coligação de fachada não aprova um Orçamento»
21h42 «O debate sobre a reforma do Estado não acaba nos 4 mil milhões. Se tivermos melhores medidas até ao Verão vamos apresentá-las à troika»
21h36 «Nós temos uma Constituição que trata o esforço do lado da Educação de uma forma diferente do que trata do lado da Saúde. Isto dá-nos uma margem para ter um sistema mais repartido pelos cidadãos na Educação que não temos no sector da Saúde»
A partir de hoje temos de «combater» nas escolas, nos hospitais, nas ruas... contra um governo anti-nacional e anti democrata.
A democracia não se pode esgotar nas eleições, com mentiras. 
A reforma do estado que devia passar pela reforma do estado de partidos faz-se hoje claramente através de um governo de bastidores que mata as famílias e empresas, com uma óptica de«gente louca e perigosa». 65.000 mil jovens já emigraram no ano passado empurradas para fora de portugal por este desgoverno. Quantos mais serão necessários? Paulo Portas o campeão da defesa do contribuinte mostra-se como o campeão do poder a todo o custo, viabilizando uma coligação que nem muitos dos seus eleitores desejam.  
Claramente este governo que não tem o apoio de mais 20% do povo português não é já representativo. 

Bandeiras negras em todas as janelas JÁ!  

GASPAR, AGENTE DA MERKEL EM PORTUGAL? OU SIMPLESMENTE UM IDEÓLOGO DELIRANTE E INSENSÍVEL?

Ontem no TVI 24 Louçã acusou Passos Coelho e Gaspar de serem agentes de Merkel em Portugal, o que se chamaria no passado de traidores a Portugal.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

QUE ATITUDE TERÁ GASPAR QUANDO PORTUGAL IMPLODIR? E QUE RESPONSABILIDADE CRIMINAL TERÁ PERANTE AQUELES QUE MATA À FOME?

Quando Portugal implodir no próximo ano qual será a atitude de Gaspar: irá como Egas Moniz com a família e uma corda ao pescoço perante o povo, ou sairá ufanamente para um lugar na UE ou noutro organismo internacional?
Um povo que se deixa governar por homens como Sócrates ou Gaspar, claramente inconsistentes com a realidade, não é um «povo valente e imortal.»

terça-feira, 27 de novembro de 2012

IMPRESSIONANTEMENTE CRIMINOSO


«o ministro das Finanças reconheceu "os riscos e as incertezas" no exercício orçamental que "advêm do ajustamento da economia portuguesa", mas sobretudo no contexto externo que conheceu nos últimos meses uma assinalável deterioração".»

PARTIDOS DE VÓMITO

«O que é isso? numa sociedade democrática com um parlamento democraticamente eleito é UMA VERGONHA falarem de disciplina de voto como obrigação. Um deputado devia ser independente, eleito por um partido, sim, mas uma vez eleito devia ser totalmente independente em relação ao seu voto. Para isso basta ter lá um representante de cada partido com a percentagem de votos que couber ao seu partido.»

DEPUTADOS DO CDS E PSD: AO CONTRÁRIO DE RUI BARRETO OS DEPUTADOS DO PSD E CDS ESTÃO A PRESTAR UM SERVIÇO ANTI PATRIÓTICO SEM TER EM CONTA AS ALTERAÇÕES QUE A PRÓPRIA EUROPA ANUNCIOU ONTEM

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

A ELITE E A NATA IMERSA DOS ABNEGADOS DESINTERESSADOS DE PORTUGAL

NÚNCIO, UM ANÚNCIO DE DESGRAÇA

Muito poucos portugueses sabem que o actual secretário de estado das finanças, advogado, é um militante do CDS - PP. 
Os mesmos que se bateram contra os excessos fiscais das cargas de esbulho que matam a economia. Muito poucos também sabem que o senhor foi pela amnistia fiscal para os grandes capitais expatriados, enquanto advogado.
Agora é o que se sabe! 

ASHOKA MODY



BRILHANTE PACHECO PEREIRA NOS «INTELECTUAIS E A ANULAÇÃO DO DESTINO: NÃO HOUVE PROGRESSO?

«Pode-se sempre dizer que qualquer tempo é um tempo de exigência para os intelectuais, embora os intelectuais não tenham uma história particularmente brilhante de “interpretação” dos tempos. Bem pelo contrário, os intelectuais têm uma história no século XX de participarem activamente nas grandes mentiras do século, fascismo e comunismo em particular [...] Mas, também por isso, tempos como os de hoje são particularmente exigentes para a réstia de função que ainda podemos atribuir aos intelectuais. Por duas razões: há uma enorme circulação de mentiras em curso, e há um enorme sofrimento na maioria das pessoas comuns e uma perda colectiva da esperança, em si mesmos, na sociedade, na democracia, no país. Esta é a crise perfeita, como a tempestade perfeita. [...] Foi tudo uma ilusão artificial, como agora nos dizem? Teve aspectos ilusórios, expectativas excessivas, mas não foi uma ilusão, foi uma melhoria. Não precisamos que nos venham dar lições morais com a parte da ilusão, para nos arrancarem as melhorias, porque a melhoria de vida dos portugueses deve ser defendida ao limite. [...] Daí as mentiras e a petulância [...] cujo melhor exemplo é o Orçamento do Estado e as sucessivas avaliações positivas da troika, peças de uma política cujos perigos dois ou três dias depois vem o FMI enunciar. [...] Na verdade, os portugueses também já “ajustaram” os governantes. “Miúdos”, “garotos”, como o povo manifestante bem intui, percebendo a sua inexperiência da “vida”, saídos da pior escola, carreiristas e espertos, obcecados pela “imagem” mediática, conhecedores de mil e um truques, tão vingativos como ignorantes, deslumbrados pelo seu poder actual, subservientes face a todos os poderosos, e que incorporaram um profetismo grandioso sobre “refundar” o país, que rapidamente se torna numa luta pela própria sobrevivência política, custe o que custar. O resto é expendable, no inglês técnico de que gostam. Pode ser que, mais uma vez, os intelectuais traiam, com a obsessão de respeitabilidade, o respeitinho moderado e o sufoco dos bens escassos para distribuir. Mas a obrigação do intelectual, como escreveu Emerson, é “anular o destino”, pensar para haver “liberdade”. Presos neste miserável destino, o sofrimento de muitos é uma efectiva ameaça à liberdade

VIRIATO SOROMENHO MARQUES E OS PIGMEUS

«Vencer os inimigos está ao alcance de todos os homens, desde que tenham as armas adequadas. Vencer-se a si próprio é privilégio de uma aristocracia de gigantes.
O cônsul português de Bordéus está nesse restrito Olimpo. Um Hércules moral, que nos ilumina neste tempo de pigmeus.»
Subscreve-se na totalidade e a tempo inteiro esta constatação de um homem com visão e ética: Viriato Soromenho Marques!

A ECONOMIA, OS PARTIDOS POLÍTICOS DO PODER E A ESPÍRITO SANTO FINANCIAL GROUP

Nada nos move contra a economia de mercado. Antes pelo contrário, tudo a favor! 
Mas só quando ela é uma economia de emprego e de concorrência, a favor dos cidadãos e dos consumidores, não quando se transforma numa economia de especulação e de manipulação.

«O lucro do ESFG relativo aos 9 primeiros meses do ano aumentou mais de seis vezes face ao mesmo período do ano passado, atingindo os 254,4 milhões de euros.
Em comunicado divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o Espírito Santo Financial Group (ESFG) anuncia ter conseguido um resultado líquido de 254,4 milhões de euros, sendo que até setembro do ano passado registava lucros de 29,4 milhões de euros.»

GOVERNO DE PASSOS=GOVERNO DE DESTRUIÇÃO NACIONAL

 Quem não procura soluções no seu povo, ouvindo-o, torna-se «O Problema».

«Para quebrar o ciclo vicioso em que está metido, qualquer saída parece boa. "Sou daquelas pessoas que sempre disse que nunca sairia daqui, mas de há um ano e tal para cá só quero sair daqui."

Cansado de biscates e de respostas negativas, José Silva está inscrito numa série de empresas que procuram mão-de-obra para trabalhar no estrangeiro.

Tal como José Silva, Pedro Duarte, 32 anos, viu-se obrigado a voltar para casa dos pais. É professor de música e há cada vez menos aulas para dar. "É um bocado difícil ter de voltar a pedir dinheiro aos pais, depois de ter perdido tanto tempo a estudar, a tirar a licenciatura e voltar à estaca zero. Uma pessoa tem projectos que ficam a meio do caminho", afirma à Renascença.

Os pais sempre estiveram dispostos a ajudar. Graças à família, não lhe falta pão e casa. Mas ficou sem independência. Reconquistá-la é agora o maior objectivo. E emigrar parece, cada vez mais, ser a solução.»

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

ALIMENTO DA REVOLTA: O FIM DO ESTADO SOCIAL POR GASPAR, A REVOLTA DOS MANSOS

«Sem água, sem luz, sem gás

Para sobreviverem, cada vez mais portugueses roubam água nas bombas de gasolina, desempoeiram candeeiros a petróleo e comem apenas o que não precisa de ser cozinhado. A VISÃO foi ver como se vive hoje em oito casas nas quais já só restam as memórias de banhos longos, assados no forno ou aquecedores elétricos - antigos luxos da classe média»

Há alturas na vida em que os homens se têm de revoltar e mostrar a sua indignação sob pena de não serem homens mas apenas seres amorfos, sem coração.
O que se está a passar em Portugal, fruto de erros do passado mas fruto, também, de ideologias e homens pedra, criará uma sociedade bem pior.
Uma sociedade de homens revoltados!

À ATENÇÃO DE SANTOS PEREIRA, GASPAR E PASSOS: ONDE A TROIKA NÃO CHEGA, A VERDADEIRA REFORMA DO ESTADO!

«nem de propósito:
ando a tentar em conjunto com 1 amigo instalar umas estufas para produzir essencialmente para exportação. 
Esbarramos com uma regulamentação restritiva que as câmaras maliciosamente empolam para empurrar a agricultura para fora dos seus limites geográficos, subjugadas aos interesses da especulação imobiliária.
Para instalar umas estufas é necessário 1 processo de licenciamento semelhante ao de um loteamento urbano! É escandaloso e ninguém põe mão nisto. Têm as cãmaras um exército de funcionários em gabinetes desertos de utentes unicamente para dar estas "prendas" aos cidadãos empreendedores.»

NICOLAU, AS BOLACHAS E GASPAR, O CONDE ANDEIRO ALEMÃO

«Supermercado do centro comercial das Amoreiras, fim da tarde de terça-feira. Uma jovem mãe, acompanhada do filho com seis anos, está a pagar algumas compras que fez: leite, manteiga, fiambre, detergentes e mais alguns produtos.
Quando chega ao fim, a empregada da caixa revela: são 84 euros. A mãe tem um sobressalto, olha para o dinheiro que traz na mão e diz: vou ter de deixar algumas coisas. Só tenho 70 euros.
Começa a pôr de lado vários produtos e vai perguntando à empregada da caixa se já chega. Não, ainda não. Ainda falta. Mais uma coisa. Outra. Ainda é preciso mais? É. Então este pacote de bolachas também fica.
Aí o menino agarra na manga do casaco da mãe e fala: Mamã, as bolachas não, as bolachas não. São as que eu levo para a escola. A mãe, meio envergonhada até porque a fila por trás dela começava a engrossar, responde: tem de ser, meu filho. E o menino de lágrima no canto do olho a insistir: mamã, as bolachas não. As bolachas não.
O momento embaraçoso é quebrado pela senhora atrás da jovem mãe. Quanto são as bolachas, pergunta à empregada da caixa. Ponha na minha conta. O menino sorriu. Mas foi um sorriso muito envergonhado. A mãe agradeceu ainda mais envergonhada. A pobreza de quem nunca pensou que um dia ia ser pobre enche de vergonha e pudor os que a sofrem.
Tenho a certeza que o ministro Vítor Gaspar não conhece este menino, o que seria obviamente muito improvável. Mas desconfio que o ministro Vítor Gaspar não conhece nenhuns meninos que estejam a passar pela mesma situação. Ou se conhece considera que esse é o preço a pagar pela famoso ajustamento. É isso que é muito preocupante.»
Esta crónica que Nicolau Santos fez no Expresso poderá passar por hipócrita. Mas independentemente de o ser ou não, é real.
E a responsabilidade tendo começado há muito com a responsabilidade de muitos de várias matizes, não deixa de ser verdade.
E mais grave é afectar cada vez mais pessoas da classe média com profissões relevantes para a sociedade, mas que uma política de terra queimada de um ministro ideólogo e «demasiado amigo do seu umbigo e da alemanha» está a agravar de forma repugnante. 

 

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

VÍTOR GASPAR, IMPRESSIONANTEMENTE MAU E ANTI ESTADO SOCIAL: ELE SOÇOBRA MAS POR ANIQUILAR A ECONOMIA

Vítor Gaspar é um neo-liberal radical de vistas curtas. 
Alguém que é contra o estado social, alguém desonesto do ponto de vista intelectual e carreirista. 
Disse hoje em Berlim que é preciso reformar o estado social para o defender. 
A defesa dele não passa por criar condições de sustentabilidade natal, dando condições à não emigração e ao desenvolvimento demográfico, ao crescimento económico colocando não activos a vender e produzir, reduzindo as diferenças de rendimento, procurando os responsáveis pelos BPN's desta vida e as PPP escandalosas e criminosas. Não é o estado que cria empregos sustentáveis? É verdade, em parte, não deve é o estado criar insustentabilidades como a de ir a todas as empresas que tem funcionários com mais de 80% do seu rendimento e exigir-lhes mais 5%. 
Porque isso irá criar inevitavelmente mais 100 ou 200 mil desempregados com a falência dessas empresas, que só assim se aguentam no mercado face aos custo brutais de contexto criados de todas as formas pelo estado. 
O massacre fiscal de cidadãos e empresas mata tudo.
Os tempos, no entanto, estão de mudança: a toda a reacção sucede uma contra reacção dos indignados, dos desesperados, dos injustiçados, já que a população já se apercebeu de quem são os responsáveis por esta crise. 
Pseudo tecnocratas egoístas e inchados, com visões delirantes nmas com resultados sempre negativos, insensíveis ao humano, técnicos de modelos, sem contacto com a vida real das empresas e dos agentes económicos, que colocam as suas carreiras acima do interesse colectivo e que criam uma clima de falta de empenho e de confiança.

Impressionante Gaspar? Só se for no sentido negativo! Como Constâncio, o Constâncio responsável pela omissão da regulação bancária que permitiu BPN's e afins, terá no  futuro lugar em mais uma organização internacional. 
Até que os ventos de mudança levantem uma nova internacional que os «passará» a ferro!  

DEPOIS DA CIMPOR SER RETALHADA VIRÁ A ANA, A TAP...

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

O PROBLEMA DE PORTUGAL NÃO É A INCOMPETÊNCIA MAS CORRUPÇÃO OU COMPETÊNCIA A MAIS: E QUANDO É QUE ESTA GENTE É PRESA?

«Paulo Morais com Nilton, a desvendar a ironia da corrupção.
Denúncias deste video de Paulo Morais. Impediu negócios ilegais que rondam 600 a 700 milhões de euros na área do Porto quando era Vice-Presidente. E levou a cabo 30 processos de denuncia na câmara municipal do Porto... Paulo Morais tinha 2 pelouros na Câmara do Porto, o do tráfico de Droga nos bairros sociais, e o do urbanismo. Ele ironiza que havia margens de lucro semelhantes ao tráfico de droga, na área urbanística, o que o fazia sentir que tinha dois pelouros na área do tráfico. Tráfico de droga e de terrenos.
Refere ainda um caso em Valongo (com o genro de Narciso Miranda), que ele denunciou, em que ás 4 da tarde compra um terreno por 4 milhões e ás 4.30, vende-o por 20 milhões.
A corrupção é a principal actividade politica em Portugal.
Estamos numa situação tão má e desapareceu tanto dinheiro, que a incompetência já não é suficiente para explicar o que foi feito a Portugal.
Por isso a única explicação é que há é competência a mais, mas na corrupção.
Na politica só temos tido gente séria e competente.
Mas os sérios não são competentes.
E os competentes não são sérios.
Foram 20 anos... muitos a roubar muito, cerca de 6 a 7% do orçamento iria para desvios e corrupção.
Não foi a despesa com a saúde, nem com o ensino foi a despesa com a corrupção.»

domingo, 18 de novembro de 2012

OS BURROS GASPAR E PASSOS VERSUS DILMA

«"Não creio que o problema na Europa seja o Estado social. A questão é que foram aplicadas soluções inadequadas para a crise, e o resultado foi um empobrecimento das classes médias. A este ritmo, vai produzir-se uma recessão generalizada", afirmou Dilma Rousseff em entrevista ao jornal ‘El País'.
A chefe de Estado, que esteve em Espanha para participar na cimeira ibero-americana, recordou que a América Latina "já passou por isto. O FMI impôs-nos um processo que chamaram de ‘ajuste' e que agora classificam de austeridade. Tínhamos que cortar nas despesas todas, incluindo no investimento. Garantiam que assim chegaríamos a um alto grau de eficiência, os salários desceriam e todos os impostos se ajustariam. O que aconteceu foi uma falência quase geral dos países da região nos anos oitenta".
A chefe de Estado brasileira não poupou críticas à política de austeridade, afirmando que "as medidas de ajuste não resolvem nada se não há investimento e estímulos ao crescimento. E se toda a gente reduz os gastos ao mesmo temo, o investimento nunca acontece".
Questionada sobre se já manifestou a sua opinião à chanceler alemã Angela Merkel, com quem disputa a posição de mulher mais influente do mundo, Dilma respondeu que "tenho-lhe dito isto em todas as reuniões do G-20 (...). As receitas que estão a aplicar levarão a uma recessão brutal. Sem investimento é impossível sair da crise. Aceito que é preciso pagar as dívidas e levar a cabo a consolidação orçamental, mas é preciso tempo para que os países o façam em condições sociais menos graves. Não só por questões éticas, mas também por exigências económicas.
Relativamente à moeda única, a presidente brasileira disse que "o euro é um projecto inacabado, e se a Europa quer solucionar os seus problemas tem que completá-lo através da supervisão e da União Bancária. Na realidade, hoje em dia o euro não é uma moeda única. O mercado distingue entre o euro espanhol, o euro italiano, francês, grego ou alemão. O BCE tem que ser o credor de último recurso, mas precisa de ir para além disso: é preciso que seja um comprador da dívida [dos governos], como acontece nos outros países (...) Não pode continuar como está se quiser vencer a crise. É altura de construir consensos, e para isso é importante que exista liderança".»

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

O PAÍS DOS BOYS: VÓMITO É A PALAVRA CERTA!


Quase 1500 'boys' receberam subsídio de férias

PARA AMACIAR A TEIMOSIA DE PASSOS PERANTE A REALIDADE DAS MÁS MEDIDAS, ISTO!


EDUARDO PITTA EM... A GRÉCIA PARA FORA DO EURO!

«Para conseguir uma nova tranche de ajuda financeira, o governo grego aprovou anteontem novas medidas de austeridade. Apesar dos cortes em vigor desde 2010, os salários dos funcionários públicos sofrem nova redução, desta vez de 27%. As pensões, que também já haviam sido reduzidas, vão sofrer novos cortes, desta vez entre 5% e 15%. A idade da reforma subiu de 65 para 67 anos. Isto num país que está com 26% de desemprego. Os subsídios foram extintos. E por aí fora. Atenas viveu uma batalha campal na noite de quarta para quinta-feira. Mas, diz o governo, só assim chegam na próxima segunda-feira os 31,5 mil milhões de euros necessários para evitar o default.

Eis senão quando Wolfgang Schäuble, o ministro alemão das Finanças, veio dizer ontem que na segunda-feira nem pensar, no decorrer da próxima semana nem pensar, até ao fim do mês nem pensar, e até ao fim do ano logo se vê.

Dito de outro modo, ultrapassado o melindroso período das eleições americanas, que funcionaram como moratória, Berlim começou a empurrar Atenas para fora da zona euro.

Nisto tudo, só espanta a aparente passividade de Karolos Papoulias, o presidente grego. Papoulias já devia ter demitido Samaras (notoriamente incapaz de lidar com a situação) e instituído um governo que fizesse a Grécia voltar ao dracma. Num país com a economia paralisada, onde cerca de três milhões de pessoas estão desempregadas e onde os desempregados não têm direito a cuidados de saúde, o euro apenas serve para pagar o serviço da dívida. Desde que a crise começou, cem mil milhões de euros (de particulares) saíram dos bancos gregos para bancos suíços, alemães e ingleses. Quem ficou não precisa do euro para nada.»
Eduardo Pitta em «Até quando?»

O ESTADO DE FACÍNORAS

«A grande maioria da função pública viu o subsídio de férias cortado este ano, mas há exceções. Os nomeados pelo Governo para funções públicas que conseguiram fugir a esta regra inscrita no Orçamento do Estado de 2012 são, afinal, dez vezes mais - quase 1.500 - do que os últimos dados conhecidos, relativos a setembro.

Aos 131 assessores de gabinetes ministeriais admitidos nessa altura pelo Executivo, há agora a informação oficial, depois de requerida pelo PS, de que há mais 1.323 nomeados para outras entidades do Estado, o que perfaz um total de 1.454, adianta esta sexta-feira o «Diário de Notícias».

PASSOS, GASPAR, MOEDAS E RELVAS: UM GOVERNO DE GENTE FRIA, SEM AFECTOS

Até Mira Amaral já fala da insustentabilidade desta política. 
Quem pára este trio + um?

terça-feira, 13 de novembro de 2012

MAIS UM GOLPE NAS EMPRESAS E NA ACTIVIDADE ECONÓMICA

Este desgoverno é de uma incompetência e irresponsabilidade canina.
Num momento destes atacar as pequenas e médias empresas, como ginásios e afins,  exigindo-lhes mais comparticipação é aniquilar mais centenas de milhar de postos de trabalho.
Quando portugal implodir aos irresponsáveis do governo anterior juntam-se estes fedelhos ranhosos e incompetentesE é por isso que se este orçamento passar, portugal morrerá definitivamente.

«A Segurança Social está a notificar cerca de 33 mil empresas que estão obrigadas a pagar taxa social única (TSU) de 5% sobre os seus trabalhadores a recibos verdes, por concentrarem mais de 80% da sua atividade.

Em causa estão cerca de 64.500 trabalhadores, e o pagamento de 23,8 milhões de euros correspondente aos 5% de TSU que passou a ser obrigatória com o novo Código Contributivo, escreve o «Jornal de Notícias».

Os números foram avançados pelo ministro Pedro Mota Soares, segunda-feira, no debate da especialidade sobre o Orçamento do Estado para 2013.

A cobrança coercivas de dívidas à Segurança Social rendeu até outubro 475,5 milhões de euros, o que traduz uma subida de 8,6% face ao montante arrecadado no mesmo período de 2011.»

MATAR UM PAÍS PELA NATALIDADE

«De acordo com a diretora de pediatria da Maternidade Alfredo da Costa, Teresa Tomé, este ano deverá registar-se «a maior descida da taxa de natalidade dos últimos anos»: «Prevê-se uma redução de 20%, o que é imenso, mas os bebés com problemas e as situações de risco mantêm-se».

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

O SUBALTERNO MANTEIGUEIRO: FRACO COM OS FORTES, FORTE COM OS FRACOS


domingo, 11 de novembro de 2012

VALE A PENA LER O QUE O SENHOR ADRIANO MOREIRA DIZ EM CONTRAPONTO COM O FEDELHO PASSOS E TRUPPE

«A construção do futuro “é justamente a esperança, a vontade, a confiança de que o sacrifício vale a pena”, sublinhou o professor universitário, que participava na segunda sessão das Conferências Políticas, subordinadas ao tema “A democracia e o futuro”, promovidas pela Divisão de Ação Cultural da Câmara Municipal de Coimbra (CMC).
“Na minha vida, que é tão comprida, nunca vi uma situação tão severa na vida portuguesa como hoje e quando se pede a mobilização da população” é necessário que haja um objetivo.
Para isso, impõe-se a existência de “conceito estratégico do Estado” (mas “o Estado português não tem conceito estratégico, não o definiu”) e que haja “esperança de que o sacrifício vale a pena e vai nessa direção”, sustentou.
“Se a definição do Estado social for eliminada, acho que se elimina o alicerce da construção do futuro, que é justamente a esperança, a vontade, a confiança de que o sacrifício vale a pena”.
Antes, Adriano Moreira afirmou-se “preocupado” com “o sentido da palavra” ‘refundação’, pois “é extremamente equívoco”.
“Peço desculpa” por recorrer ao Dicionário da Academia das Ciências porque “tenho um pouco de responsabilidade nele”, mas nem aí “encontro facilmente uma diretiva para entender o que é isso de refundação do estado”, disse Adriano Moreira.
Mas “aquilo que eu sei”, salientou, “é que ontem [sexta-feira] os reitores das universidades públicas leram, à mesma hora”, os seus respetivos estabelecimento de ensino, um documento referindo que “pelo meio do ano que vem as universidades não poderão pagar salários ao pessoal”.
É claro, concluiu Adriano Moreira, que “há um remédio para isto muito fácil, que é começar a diminuir ou a eliminar aquilo que são diretivas da própria Constituição” portuguesa.
“O que está a acontecer com esta orientação, que a senhora Merkel (chanceler alemã] professa, é atirar a esperança pela janela”, salientou.»

sábado, 10 de novembro de 2012

O QUE VAI ESTAR SEMPRE NA MODA É A INTELIGÊNCIA - GALIYA... E A CULTURA!

Quando uma «portuguesa» do cazaquistão nos ensina muita coisa.
«O que vai estar sempre na moda é a inteligência» 
... E A CULTURA, ACRESCENTO EU!

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

MÁ «MOEDAS»

«São previsões do nosso Governo», mas «também estão corroboradas» pelos «nossos parceiros, Fundo Monetário Internacional (FMI), Comissão Europeia (CE) e Banco Central Europeu (BCE)», disse esta sexta-feira Carlos Moedas, depois de ter participado na cerimónia do dia do Instituto Politécnico de Beja, que hoje celebra 33 anos.

Assim, a previsão é «fruto» do trabalho do Governo, no qual o Executivo «acredita», mas «tem riscos».

«Hoje em dia, governar e olhar para o futuro é gerir um conjunto de riscos e obviamente que eles existem e sempre existiram, desde o princípio» do Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF) de Portugal, frisou.

Carlos Moedas reagiu assim após ter sido questionado pelos jornalistas sobre as posições de várias instituições, como o Conselho das Finanças Públicas (CFP) e Conselho Económico e Social (CES), em relação às previsões económicas do OE2013.»

JOHN CASTI: DECLÍNIO E QUEDA DA UE