quarta-feira, 21 de novembro de 2012

VÍTOR GASPAR, IMPRESSIONANTEMENTE MAU E ANTI ESTADO SOCIAL: ELE SOÇOBRA MAS POR ANIQUILAR A ECONOMIA

Vítor Gaspar é um neo-liberal radical de vistas curtas. 
Alguém que é contra o estado social, alguém desonesto do ponto de vista intelectual e carreirista. 
Disse hoje em Berlim que é preciso reformar o estado social para o defender. 
A defesa dele não passa por criar condições de sustentabilidade natal, dando condições à não emigração e ao desenvolvimento demográfico, ao crescimento económico colocando não activos a vender e produzir, reduzindo as diferenças de rendimento, procurando os responsáveis pelos BPN's desta vida e as PPP escandalosas e criminosas. Não é o estado que cria empregos sustentáveis? É verdade, em parte, não deve é o estado criar insustentabilidades como a de ir a todas as empresas que tem funcionários com mais de 80% do seu rendimento e exigir-lhes mais 5%. 
Porque isso irá criar inevitavelmente mais 100 ou 200 mil desempregados com a falência dessas empresas, que só assim se aguentam no mercado face aos custo brutais de contexto criados de todas as formas pelo estado. 
O massacre fiscal de cidadãos e empresas mata tudo.
Os tempos, no entanto, estão de mudança: a toda a reacção sucede uma contra reacção dos indignados, dos desesperados, dos injustiçados, já que a população já se apercebeu de quem são os responsáveis por esta crise. 
Pseudo tecnocratas egoístas e inchados, com visões delirantes nmas com resultados sempre negativos, insensíveis ao humano, técnicos de modelos, sem contacto com a vida real das empresas e dos agentes económicos, que colocam as suas carreiras acima do interesse colectivo e que criam uma clima de falta de empenho e de confiança.

Impressionante Gaspar? Só se for no sentido negativo! Como Constâncio, o Constâncio responsável pela omissão da regulação bancária que permitiu BPN's e afins, terá no  futuro lugar em mais uma organização internacional. 
Até que os ventos de mudança levantem uma nova internacional que os «passará» a ferro!  

Sem comentários:

Publicar um comentário