quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

DECADÊNCIA POR SÓNIA CRAVO

«O país avança para a decadência, receoso e envergonhado. São resmas de folhas, todos os dias. Cada folha, se não é protesto, é escândalo. E tudo acontece como se a decência tivesse agora outras ressonâncias, outros limites. Na história do real, trampolineiros vêm falar ao povo, a favor do povo, logo esses tais que também nos roubaram. Nós por cá somos o melhor povo do mundo. Uns lutam e outros tentam. Impacientam-se todos. Um fósforo ou um petardo lançado por mão alheia. Às vezes, raivas repentinas, que a fome é um monstro. Murmuram que somos bons, os melhores. Um abraço ensaiado. Uma flor. Olha o passarinho! Ali, ali! Mostra o dentinho! Mete no Facebook. Uma nova aparição em Fátima! Não?! Quem meteu lá esse gajo? Eu não fui. Eu também não. E o outro? E o anterior? E amanhã? E amanhã? Amanhã? Haverá ainda tempo para o “melhor povo do mundo” descolar da imagem conveniente?»

Sónia Cravo

Sem comentários:

Publicar um comentário