quarta-feira, 1 de agosto de 2012

PORTUGAL É MAIOR QUE AS BARRICADAS PARTIDÁRIAS

Ninguém nunca duvidou dos erros que se arrastam há muitos anos na sociedade portuguesa: e logo desde o início qualquer português com alguma escolaridade detectava no anterior governo o delírio anunciado previsível.
Neste país, normalmente quem tem voz é quem teve responsabilidades governativas ou partidárias e cujos actos por acção e omissão estão bem à vista de todos.
Sempre fui um combatente da justiça, da ética e da equidade, e sempre serei: tirei o pulso a Isaltinos, Loureiros, Sócrates e cias. que são reflexos do que há de pior na sociedade portuguesa.

O mérito em portugal não existe porque ninguém nunca assume as suas responsabilidades e a cidadania é frágil.
O que é feio, no entanto, é a cegueira de quem vive no branco ou preto e ataca quem factualmente nunca foi responsável pelo resultado que está à nossa frente. O ser contra ou favor não está no tudo, está nas medidas de per se: concordar ou discordar de tudo é muito, muito pequenino e dá uma imagem de um portugal parolo.
E é por isso que quem abraça a actividade política nunca é respeitado pela cidadania e vive fechado em barricadas. Espírito aberto, cidadãos sociais democratas, porque a vida não começa nem acaba nas trincheiras partidárias! Os partidos são um meio, não um fim!
O ovo da serpente está num sistema político errado, tomado por alguns em vez de participado por todos!
E é isso que diferencia as baratas tontas de quem tem Portugal como destino! 

Sem comentários:

Publicar um comentário