segunda-feira, 10 de setembro de 2012

PASSOS: O APRENDIZ DE SÓCRATES!

«"É inaceitável sujeitar o país ao experimentalismo social - isto é fazer experiências com a economia nacional - a mando da ‘troika' o que se traduz num profundo desrespeito pelos portugueses. É também preocupante o impacto destas decisões em termos sociais", disse Alexandre Relvas durante uma entrevista à Renascença em que pede ao primeiro-ministro que repense as medidas anunciadas e defende mais um ano para alcançar as metas do défice.
"As decisões de redução da Taxa Social Única (TSU) para as empresas e o aumento para os trabalhadores para promover a competitividade só podem resultar de um enorme desconhecimento da realidade empresarial. Quem conheça o mundo das empresas sabe que estas medidas não terão impacto estrutural, nem sobre emprego nem sobre as exportações. O número de empregos criado será marginal, assim como será marginal o aumento das exportações", argumentou o gestor da Logoplaste na mesma entrevista.»
 EDP, BCP e Sonae vão pagar menos 50 milhões de euros por ano à Segurança Social com a redução da TSU anunciada por Passos Coelho.
"As companhias que estão melhor posicionadas para beneficiar desta medida são aquelas que têm mais capacidade instalada em Portugal, mais mão-de-obra e endividamento mais elevado, uma vez que a poupança de custos terá maior impacto a nível do ‘bottom-line'", lê-se num estudo do BESI sobre a redução, anunciada sexta-feira por Passos Coelho para 2013, em 5,75 pontos percentuais da Taxa Social Única (TSU) paga pelas empresas.
Segundo as contas do banco de investimento, em termos de percentagem do lucro líquido, Mota-Engil e Sonae são as cotadas do PSI 20 que mais poupam com a redução da TSU.
"De acordo com as nossas estimativas, a Ibersol, a Sonae e a Mota-Engil deverão beneficiar mais em termos de resultados, com as nossas previsões a apontarem para poupanças antes de impostos que deverão representar, respectivamente, 50%, 28% e 12% das estimativas de lucro líquido para 2013", refere no mesmo documento citado pela agência Reuters.
Em milhões isso significa uma poupança, só em 2013, de 20 milhões de euros para a Sonae, 4,9 milhões para a construtora e 1,6 milhões no caso da Ibersol.
Seguindo o mesmo raciocínio, na banca o BPI poupará 6,9 milhões de euros e o BCP 18,9 milhões com a redução da TSU.
Nas maiores cotadas do PSI 20, a EDP deverá reter cerca de 10,5 milhões de euros, enquanto Portugal Telecom e Jerónimo Martins pagarão menos 6,7 e 8,8 milhões, respectivamente, à Segurança Social.
Deste modo, EDP, BCP e Sonae, três gigantes nos respectivos sectores, vão pagar menos 49,4 milhões de euros por ano.
O BESI alerta contudo que esta poupança com a TSU "deverá ser em parte mitigada pelo impacto negativo das novas medidas de austeridade na procura doméstica, que deverá ser bastante significativa, bem como pelo potencial aumento dos impostos para as grandes empresas".
«A confederação das micro, pequenas e médias empresas diz que as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro não vão ajudar os empresários.

Em declarações à rádio TSF, João Pedro Soares lembra que «97 por cento das empresas em Portugal são micro ou pequenas» e que estão ligadas ao mercado interno. Um mercado que vai voltar a ser castigado com uma quebra do consumo das famílias.

«Se estamos a retirar verbas a este circuito económico interno nacional e estamos a retirar essa verba do bolso das pessoas e dos consumidores, naturalmente que isso vai fazer que o valor de baixa da Taxa Social Única não vá compensar a falta de mercado», adiantou.

E, depois, estas medidas «farão com que algumas grandes empresas, que têm muitos empregados, vão encaixar valores que nem conseguimos contabilizar».

Sem comentários:

Publicar um comentário