sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

À MEMÓRIA DOS PASSADOS

Podíamos ironizar, se não fosse grave, que um dos  problemas mais sérios do Portugal actual reside numa fraca memória histórica e num desconhecimento do seu passado. 

Um país que se empobrece nos big brothers e nas novelas ocas é um país cada vez mais enfraquecido na sua independência e liberdade. 

Neste anos de pós Estado Novo, a  memória histórica não pode ser mais um esconderijo das nossas fraquezas e debilidades, a assumpção de uma ilusão ptolomeica, mas a revisão de um passado que não se esgota nesses tempos que não impõem a saudade do futuro.

Extirpar tempos de paragem escudados em memória passada deve-nos fazer pensar que a celebração desses tempos impõe uma reflexão colectiva do nosso valor como nação e como identidade cultural. 

Nos nossos pequenos microcosmos devemos pois zurzir como inevitável que Portugal só tem futuro se não abjurar o seu passado e o reconduzir a um futuro mais promissor, onde estejam os nossos antepassados mas também os que hão-de vir. 

A todos devemos fidelidade, a uns porque batalharam por um projecto de unidade, a outros porque não há futuro para os presentes sem o comprometimento de um Portugal "mais limpo" e justo no futuro. 

Que se acabem assim com esses tempos de descanso, mas que se lembrem os nossos antepassados que não pouparam descanso para nos testemunhar o seu Portugal.  

Sem comentários:

Publicar um comentário